Após morte de dezesseis mil galinhas em granja funcionário é levado a delegacia em São João D’Aliança

Fotos galpão Galinhas

Desavença entre patrão e empregado pode ter motivado o crime.

Um funcionário de uma granja em São João D’Aliança, foi preso, suspeito de provocar a morte de 16 mil galinhas. Segundo a Polícia Civil, o crime foi motivado por uma desavença entre o suspeito e o patrão dele, já que o funcionário pediu para ser demitido para receber os direitos trabalhistas, mas o pedido foi negado.

Testemunhas disseram à polícia que o funcionário, de 19 anos, disse que “mataria um barracão inteiro de galinhas, mas não pediria para ir embora”. Ao ser preso, o suspeito admitiu ter falado isso na hora da raiva, mas negou ter cometido o crime. O prejuízo estimado, segundo a delegada Bárbara Buttini, é de 500 mil reais.
O nome do suspeito não foi divulgado pela corporação.

A temperatura na estufa chegou a 70 graus.

As investigações apontam que um funcionário levantou, manualmente, a cortina que mantinha a temperatura necessária para as aves sobreviverem. Em determinado momento, na madrugada de terça-feira, a temperatura chegou a 70ºC na estufa. Com isso, as galinhas morreram por falta de oxigênio.

O gerente da granja procurou a delegacia logo pela manhã, pouco após encontrar as aves mortas, Segundo a delegada, o comparecimento imediato da polícia na granja foi essencial para descobrir o que aconteceu.

A perícia já foi realizada no local.

“A gente conduziu esse indivíduo até a delegacia de polícia, onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante pela prática de dano qualificado em virtude do elevado prejuízo para a vítima e pela prática de maus-tratos a animais majorado pelo resultado morte, já que houve morte de mais de 16 mil galinhas”, explica a delegada.
O caso continua sendo investigado pela Polícia Civil.