Marcel Mauss: a relação entre Magia e Ritos Religiosos

Esclarecer o tema da magia é a intenção deste texto baseado na análise de Marcel Mauss que estuda a magia para compreender as forças coletivas que atuam nela, assim como na religião. Também se dará ênfase a objetividade que está por traz da magia e de tudo que forma a sociedade.

Foto Arquivo Pessoal

Considerando magia como fato social que compreende agentes, atos e representações, pode-se então afirmar que em todas as culturas define-se o mágico pela coletividade.

Padre Joacir d’Abadia

A magia é um fato social que está contido na mente humana, ou seja, para ela existir não depende de um indivíduo particular pois ela está acima de todos.

A magia é composta por três fenômenos:

Os agentes (praticantes da magia), os atos (rituais) e as representações (conjuntos de símbolos como as ideias e as crenças que correspondem aos atos mágicos). A magia é definida pelas condições nas quais os ritos se produzem, no qual o lugar que é ocupado não está no conjunto de hábitos sociais. Sendo assim chamamos de ritos mágicos todo rito que não faz parte de um rito organizado, que mesmo sendo lícito se esconde como maléfico, pois é um rito privado, misterioso, secreto, e que tende no limite ao rito proibido.

Cada sociedade tem sua ciência

Os ritos religiosos são bem vistos pela sociedade pois são ritos solenes públicos e obrigatórios como por exemplo, as festas e os sacramentos. Entre os ritos mágicos e religiosos dispõe-se uma massa confusa de fatos, cujo caráter específico não é imediatamente evidente. Há atos religiosos que são individuais e facultativos, como também há atos mágicos que são lícitos. Os atos religiosos são ocasionais do culto individual, no rito mágico as práticas são associadas às técnicas como na medicina.

A crença na magia, assemelha-se com as crenças científicas pois cada sociedade tem sua ciência. É que alguns princípios da magia foram transformados em dogmas religiosos. Enquanto a ciência é tida como positiva e experimental, a crença na magia precede da experiência e da ação de uma coisa mágica.

Atos e palavras contrariam as leis naturais

Enfim, magia por meio de seus atos e palavras produz efeitos que contrariam as leis naturais liberando as pessoas de terem responsabilidade para com as práticas sociais. A magia tem um caráter misterioso que leva seus adeptos a uma vida mais cômoda, oferecendo respostas e soluções aos seus problemas, por meio de sinais realizados por atos mágicos que se repetem, despertando uma crença por meio de práticas fantasiosas.

Padre Joacir d’Abadia, Filósofo autor de 12 livros / WhatsApp (61) 9 9931-5433