Operação Falsa Imagem da PCDF desarticulou associação criminosa

PCDF deflagra Operação Falsa Imagem e desarticula associação criminosa

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), deflagrou, nesta quarta-feira (25), a Operação Falsa Imagem. A ação resultou no cumprimento de cinco mandados de prisão e sete de busca e apreensão.

Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Telegram

CONFUSÃO EM MOTEL VIROU CASO DE POLICIA
Confusão em motel envolvendo um homem, dois travestis e uma garota de programa deu polícia

A coordenação iniciou investigação criminal visando apurar a atuação de um grupo especializado no desvio de cargas. Um dos principais alvos da investigação —preso em 2018, pela Corpatri, pela prática dos mesmos crimes — estava em liberdade provisória.
Outro envolvido, também em liberdade provisória, já foi preso por roubo com restrição de liberdade e receptação.

Durante os procedimentos de investigação, os policiais identificaram vários delitos praticados pelos integrantes do grupo. Eles utilizavam documentos falsos e caminhões clonados para retirar cargas de alto valor econômico nas empresas. O grupo tinha acesso a cadastros de motoristas com caminhões registrados sem restrição. Os envolvidos fabricavam documentos com os nomes dessas pessoas, com a foto dos investigados, que eram alternadas a cada carga desviada.

Os investigados procuravam, principalmente, um modelo específico de caminhão. O grupo tinha um veículo desse tipo e a cada crime comprava a documentação que seria usada pelo motorista. Eles também fabricavam uma placa para o caminhão.

Os acusados, com documentos falsos em mãos, passavam-se por motoristas idôneos e cadastravam o perfil em sites de transportadoras. Após a aprovação da documentação, buscavam a carga no local combinado, que era revendida por 1/3 do valor. Os agentes apuraram que o grupo gerou um prejuízo de dois milhões.

Os envolvidos são investigados pelos crimes de organização criminosa, estelionato, receptação qualificada e uso de documento falso. As penas dos delitos, somadas, podem chegar a 27 anos de prisão.

Assessoria de Comunicação/PCDF
Nossa missão é investigar!

Leia as Ocorrências de cada dia do mês, é só Clicar na data

julho 2022
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031